No folclore Navajo, o coiote é considerado o mais matreiro, ainda que cordial, dos animais. É dito que o animal é astuto e trapaceiro, cheio de truques para enganar aqueles com quem entra em contato. Diz a lenda que o animal não pode ser morto, porque não apenas é considerado um deus, mas também porque é muito poderoso. A história da origem dos Navajos é profundamente enraizada na mitologia. Embora não seja história no sentido literal, é a história da perspectiva dos Navajo sobre de onde vieram. As histórias sobre seus ancestrais são geralmente contadas como tradição oral. A crença diz que a sua origem inicia no Primeiro Mundo. Aqui, o mundo estava envolvido na escuridão. Com isso, o Dine avançou através de diferentes estágios até o mundo presente em que eles vivem hoje.

No mundo escuro, a umidade, bruma e escuridão eram proeminentes. Nas brumas, os quatro pontos direcionais (norte, sul, leste e oeste) se tornaram associados a ela. Depois dos quatro pontos, as conexões para as quatro cores principais (preto, branco, amarelo e azul) se tornaram presentes. Os seres espirituais e pessoas parecidas com insetos habitavam esse mundo. O Povo Formiga foram os primeiros seres a viver nesse mundo. Os seres espirituais que também viviam no mundo de escuridão incluíam o Espirito da Água, o Monstro da Água, o Povo Peixe e o Povo Submarino. Com o passar do tempo, novos Seres Sagrados passaram a viver no primeiro mundo. Embora eles tenham sido criados pela bruma, eles tinham atributos humanos. Foi aqui que o Primeiro Homem, a Primeira Mulher, o Primeiro Menino, a Primeira Menina, o Deus Preto, o Deus da Fala, o Deus do Hogan e o Coiote emergiram. Com o desenrolar da história, uma língua universal os ligou, permitindo que se comunicassem. Logo surgiram desentendimentos e os seres tiveram que sair para o leste, levando consigo todos as suas coisas. A partir daí, eles se mudaram para o Mundo Azul, onde encontraram os gaios azuis, os pássaros azuis e as garças azuis, além de outros animais, como o leão da montanha, as raposas, os texugos e os linces. No entanto, como aconteceu no Primeiro Mundo, logo se instalou o conflito novamente, e os seres foram mandados embora, desta vez indo para o sul, levando consigo todas as suas coisas. Quando os seres se mudaram para o Mundo Amarelo, eles conheceram outros animais, como cobras, esquilos, camundongos, veados, perus e as aranhas. Como aconteceu com os mundos anteriores, os problemas surgiram mais uma vez, levando a problemas e a brigas constantes. Com isso, o Primeiro Homem e a Primeira Mulher foram separados e colocados em diferentes lados do rio. As mulheres, no entanto, não estavam tão preparadas para a caça quanto os homens. Passando fome e implorando para voltar, as mulheres voltaram para os homens em quatro anos. A reunião dos dois sexos disparou a natureza furtiva do coiote e como resultado, ele roubou o bebê do Espírito da Água. O Espírito da Água ficou furioso e criou uma grande inundação. As pessoas escaparam depois que seu amigo gafanhoto os guiou por um junco gigante, um a um. Quando emergiram das águas, as pessoas se encontraram no mundo atual. Várias histórias colocam o povo nas montanhas do Colorado ou próximo a Durango.